Alma

Alma amada, que se afasta
num murmúrio de nada
galopa, inconsciente
arrasta-se para longe de minha vista
corre para longe
tu, que eras gêmea
tu que eras metade
agora és pedaço
rasgão
fiapo, mortalha
Por que quiseste assim?
Onde está o amor que me juraste?
É bagaço de nuvem negra
espírito cambaleante de quimera
que foi um dia
restos e despojos de sonhos
que sonhei
e que rastejam, moribundos
arquejantes
clamando por um último olhar
uma última palavra
um último beijo
se assim queres, meu amor
me afogo em lágrimas de fogo
tenebrosas sombras do passado
vultos de fantasmas de pesadelo
me esquartejo em espasmos
e me esvaio em estertores
mas que assim seja.

(escrito por Zailda Mendes)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: