Alma inquieta

Grita, alma inquieta
brama, uiva e arqueja
contorce com a chaga aberta
na tua prisão dourada
gane, alucinada
ergue as mãos e encontra o nada
ouve o pio da coruja
ouve a voz do furacão
que habita em ti
que rasga teu seio
e chafurda na tua carne
inerte, pisoteada
vagueia no passado
ronda pela noite
e a madrugada
há de te achar assim perdida
nua, pagã, abandonada

(escrito por Zailda Mendes)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: