Espírito Errante

Vai, espírito alucinado
que abandona minha carcaça
em véus de agonia e êxtase
em suspiros e ais marcados
por trêmulas lágrimas
e bêbados sorrisos,
lancinantes feridas expostas
ao júbilo e ao prazer
dos inimigos, torpes serpentes
que esmago sob a sola dos pés
enquanto avanço
a alma nua, o vulto pálido,
o corpo esquálido e putrefato
as córneas vazias
o peito inerte
abrindo os portais do inferno
de onde as chamas me lambem
e me sopram a pele desnuda
o hálito ardente
a carne lacerada
o sangue pisado, coalhado
ferido, finado, escoado, acabado.

(escrito por Zailda Mendes)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: